Blog da Plaza Motors

Como funciona o alarme do meu carro?

Dentre todos os acessórios que devem ser instalados por quem adquire um veículo, talvez o alarme venha em primeiro lugar. Como vivemos em cidades onde o índice de roubos e furtos é muito alto, ter um veículo sem esse dispositivo pode ser algo muito arriscado!

Ele é um acessório muito importante e, por ser de fácil instalação e relativamente barato, é usado por praticamente todos os motoristas. Mas você já parou para pensar como funciona o alarme de um carro?

Esse mecanismo, apesar de aparentemente simples, possui seus segredos. Continue nos acompanhando e descubra como funciona o alarme do carro!

Funcionamento básico das travas

Hoje em dia, as travas elétricas estão cada vez menores e com um funcionamento mais eficaz. Dentro das cápsulas das travas, existe um pequeno chip que cria um código que é transmitido para o carro.

Atualmente, usa-se o chamado “código de salto”. Ele é aleatório, e isso evita que o seu código possa ser rastreado por terceiros.

O receptor que fica dentro do carro também tem um chip igual e, assim, eles trabalham de forma sincronizada. A chance de um alarme abrir um carro que não seja o correto é de cerca de uma em um bilhão!

Sensores de portas e de choque

Os sensores que identificam qualquer tentativa de arrombamento são instalados nas portas. São eles que captam qualquer ação de ladrões tentando roubar o carro — seja quebrando o vidro ou maçaneta.

Uma vez detectado, ele aciona aquela buzina típica dos alarmes, informando a tentativa do furto. Existem, atualmente, sensores mais modernos: os de choque. Eles conseguem identificar se o carro está sendo empurrado ou movido, também emitindo barulho.

Os bloqueadores

O número de furtos realizados por meio dos bloqueadores de sinal de alarmes —popularmente conhecido como “chapolins” — vêm crescendo muito em nosso país. Este dispositivo é capaz de copiar o código do alarme ou impedir o travamento das portas.

Para evitar que isso aconteça, você deve sair do carro e acionar o fechamento das portas e janelas imediatamente — e só depois sair andando.

Caso você deixe o veículo e saia andando para depois acionar o alarme, saiba: é nesse momento que os bandidos utilizam a ferramenta, impedindo o fechamento completo dos vidros (ou, até mesmo, copiando o código). Fique atento!

Tipos de alarme

Existem dois tipos de alarmes, o perimétrico e o volumétrico.  O primeiro é o mais comum, mas acusa apenas a abertura das portas — ou seja, nem sempre indica o arrombamento de capô ou do bagageiro. O segundo utiliza duas cápsulas: uma atuando como alto-falante, e outra como microfone.

A cápsula de alto-falante produz ondas sonoras que devem ser captadas pela outra — e qualquer mudança nesse padrão, como uma janela quebrada, aciona o alarme.

Alguns carros saem de fábrica com acelerômetros. Se ele for integrado ao alarme, pode indicar tentativa de roubo por guincho ou reboque (mesmo que não haja nenhuma violação de portas ou vidros).

Viu só como funciona o alarme do carro, de forma básica? Atualmente, existem versões que são capazes de detectar qualquer tipo de choque ou tentativa de furto, o que faz dele um acessório essencial para qualquer veículo!

Gostou deste conteúdo? Então curta nossa página no Facebook e fique por dentro de muito mais novidades!