Blog da Plaza Motors

Pensando em comprar um carro? Saiba tudo sobre financiamento

O financiamento de carros é uma solução muito interessante para aquelas pessoas que não têm condições de adquirir um veículo à vista. Existem três formas de financiamento, e cada uma delas atende melhor um perfil de consumidor. Se você está interessado em comprar um carro dessa forma, é fundamental conhecer quais as características de cada uma dessas modalidades e se inteirar dos detalhes do financiamento antes de fechar qualquer negócio.

Para entender melhor de que formas o financiamento pode ser feito e as vantagens e desvantagens de cada uma das possibilidades, continue lendo este post!

Entenda o financiamento de carro

Não importa se você pretende comprar um carro novo ou usado: o financiamento pode ser utilizado para ambas situações. Ele é realizado via banco, tanto privados como públicos. Os interessados devem entrar em contato direto com os bancos, que serão informados pelos gerentes como os financiamentos ocorrem. Com base no salário do comprador, são definidos o valor financiado e as prestações. Dessa forma, é importante negociar um valor de parcelas que você terá condições de pagar. A negociação é executada sem a intervenção do estabelecimento (concessionária) que comercializou o carro.

Para fazer o financiamento de um carro, é necessário ter os seguintes documentos:

  • RG (Carteira de Identidade), original e cópia;
  • CPF (Cadastro de Pessoa Física), original e cópia;
  • Comprovante de estado civil, original e cópia;
  • Comprovante de rendimentos (holerite ou extratos bancários), original e cópia.

Saiba quais são os tipos de financiamento

Como já mencionamos, são três as modalidades de financiamento disponíveis, tanto para carros novos como para usados: Crédito Direto ao Consumidor (CDC), leasing e consórcio. Veja as principais diferenças entre elas:

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

Esta é a modalidade mais comum de financiamento, representando por volta de 80% do total de financiamentos feitos no Brasil. Nela, toda a documentação do carro fica no nome do comprador, razão pela qual os juros são mais altos que no leasing, uma vez que o banco corre maior risco se o comprador não honrar com os pagamentos. Entretanto, é possível negociar as taxas de juros que o comprador deverá pagar, que são definidas no início do contrato.

Tendo os documentos em seu nome, o comprador pode antecipar pagamentos das prestações para amenizar o valor dos juros embutidos sobre o valor total do carro. Ele também poderá negociar a dívida para um terceiro comprador, por não conseguir arcar com as parcelas ou simplesmente por querer apenas passar o veículo para frente.

Leasing

O leasing funciona como uma espécie de aluguel do veículo, que fica no nome da instituição credora até ser quitado, podendo, então, ser transferido para o nome do consumidor. Ao contrário do CDC, a dívida não pode ser transferida pelo comprador caso ele desista do negócio. Também não é possível pagar as parcelas adiantadas nessa opção, porém aqui os juros são menores — já que o banco corre menor riscos de inadimplência, podendo confiscar o carro por falta de pagamento em até 90 dias. O leasing também não tem incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Essa é a forma preferida de financiamento feita por empresas.

Consórcio

O consórcio é uma das modalidades de financiamento mais conhecidas. Nela, o consumidor participa de um grupo que é composto por outros compradores e organizado por uma empresa de consórcio. O comprador é responsável por pagar as prestações, mas só recebe o veículo quando é sorteado (os sorteios normalmente ocorrem uma vez por mês) ou quando consegue dar o maior lance no leilão. Para quem não tem pressa de adquirir um carro 0km, essa é uma ótima opção, por causa das prestações baixas e do não pagamento de juros. O contrato pode durar de dois a cinco anos, e é cobrada uma taxa referente aos serviços fornecidos pela empresa.

Conheça as vantagens e desvantagens do financiamento

Quando você opta pelo financiamento de carros, obtém várias vantagens. Uma delas é que você pode comprar o veículo sem ter todo dinheiro disponível, não sendo preciso esperar para levar o automóvel para casa (exceto na modalidade de consórcio). Além disso, quando se dá uma entrada alta, há a possibilidade de se negociar juros mais baixos, podendo ainda, no caso do CDC, adiantar o pagamento de algumas parcelas.

Todavia, se o cliente decidir dividir o carro em muitas parcelas, os juros embutidos poderão fazer com que o valor pago pelo carro seja consideravelmente maior que o valor inicial. Geralmente, financiamentos longos são ideais somente se você não tiver condições de quitar a dívida antes. Se você pode pagar o seu veículo em até um ano, faça isso e evite juros altos.

O financiamento ajuda muitas pessoas a conquistar o sonho de ter um carro, algo que talvez elas não conseguiriam caso fosse preciso pagar tudo de uma só vez. Negociando bem, é possível chegar em parcelas que cabem no bolso sem pesar demasiadamente no orçamento doméstico.

Qual a melhor forma de financiamento para você? Restou alguma dúvida sobre o assunto? Deixe seu comentário e continue acompanhando o nosso blog!